Morri. Mas passo bem.

Goiânia, 01 de março de 2011

Boa tarde profissionais, clientes e parceiros,

Nos últimos dias não dei resposta a nenhuma mensagem recebida, fosse telefônica ou por e-mail, e isso se deve a um motivo justo. Eu morri.

E não falo figurativamente.

Tive um enfarte, uma parada cárdio-respiratória, fibrilei e morri. Assim permaneci por uns 10 segundos, quando me trouxeram de volta.

Eu morri de verdade, mas graças às artes da medicina e da competentíssima equipe do Hospital Lúcio Rebelo e do Incore, pude ser ressuscitado, tratado, curado e colocado de volta ao jogo.

Explico melhor. Alguns de vocês sabem que nas últimas semanas eu vinha sentindo um incômodo no peito. A sequência a esse incômodo foi um mal estar nos braços enquanto corria na esteira, e alguns dias depois um cansaço muito grande mesmo em pequenos trajetos (alguns dos meus alunos na UniAnhanguera viram isso na quarta-feira passada).

Sexta-feira fui ao Hospital Lúcio Rebelo realizar um exame de cateterismo. Seria um exame rotineiro dentro de uma sequência exploratória muito bem conduzida pelo Dr. Júlio César Mundim. Após o exame de cateterismo recebi uma notícia não muito animadora: “Você sabia que a situação era séria, mas é um pouco mais grave. Das suas três principais artérias no coração, uma está 100% bloqueada, outra está 90% bloqueada e a terceira está 80% bloqueada. Vamos te internar imediatamente.”

Fui internado e passei a noite na Unidade Coronariana. No dia seguinte, sábado, ao realizar uma sessão de fisioterapia eu tive a arritmia, a parada cárdio-respiratória e caí morto. Fui extremamente feliz em ter sofrido tudo isso em uma Unidade Coronariana de referência, com a sala cheia de enfermeiras no momento em que a melhor cardiologista da equipe passava ao meu lado. A urgência com que me trataram me fez voltar, com as marcas do desfibrilador no peito e nenhuma lembrança de túnel de luz ou parentes falecidos.

Fiquei três dias na UTI, fiz duas angioplastias e finalmente hoje tive alta.

Peço perdão pela ausência nesses dias, avalio que nenhum dos nossos projetos foi severamente prejudicado. Ainda precisarei realizar outras pequenas intervenções, mas nada tão assustador quanto foi agora. Essa semana ainda estarei em repouso por ordens médicas, mas logo voltarei a ativa. Enquanto isso, vamos alinhando nossas necessidades e situações pela internet.

40 anos de idade, nunca fumei na minha vida, bebo moderadamente, pratico atividades físicas (academia, banda de punk rock e os divertidíssimos outdoor trainings), sem histórico familiar, sem diabetes, ou seja, sem nenhuma explicação que justifique tal quadro a não ser stress. Como o próprio médico, Dr. Flávio, disse meu caso “é intrigante”, pois então divulguem isso às pessoas das nossas organizações para que ao menos sirva de exemplo. Façam exames, alimentem-se de forma gentil, moderem nos vícios, pratiquem atividades físicas e cuidem-se muito.

Eu, como o ansioso estressado de sempre, já me sinto 100% e já queria voltar à atividade, mas cachorro mordido por cobra tem medo de linguiça. Eu vou repousar um pouco. Como disse meu sogro, Sr. Mateus, “o perigo é não saber onde está o inimigo”, pois eu sei onde está o meu agora: no meu peito. Cuidem-se e me aguardem.

Estou voltando com muito mais fôlego, mais energia, mais dinamismo e muito, mas muito mais tesão pela vida.

Vida, essa coisa maravilhosa e incompreensível que fazemos juntos todos os dias.

P.S. – Quero agradecer aos profissionais que me acompanharam nessa aventura. Dr. Flávio, que decidiu me internar, Dr. Maurício, que realizou a angioplastia, Dra. Luciana, que me trouxe de volta. Aos sensacionais profissionais de enfermagem Osni, Gina, Dani, Josy, Luzia e os outros que agora não me recordo, mas que foram presença de cuidado, carinho e bom humor sempre. Aos colegas de UTI, de Unidade Coronariana, de enfermaria, de quarto, gente teimosa como eu brigando por mais vinte minutos de história. Nós vamos conseguir.

Mas agradecer imensamente à minha família pela presença e orações. À Minha Irmã, Ana Cristina, que esteve lá todos os dias, ao meu glorioso e enorme pai, Joel Cândido, que não saiu do hospital hora nenhuma. Mas agradecer principalmente para três pessoas que estando ou não estando fisicamente por lá sempre me davam motivação para continuar a briga e são – esses três – as principais razões para cada fôlego e sorriso que eu experimento – Minha Delícia Neiruelk (sempre lá o amor, o cuidado, o olhar assustado e confiante) e meus tubarõezinhos Adriano e Heitor (que não podiam ir ao hospital, mas ficavam gritando da janela do nosso apartamento “Papai, sai logo do hospital. Vem pra casa!”).

Estou pronto pra outra! Mas outra! Dessa eu não quero nunca mais. Morrer, agora, é a última coisa que eu quero fazer na minha vida. Já driblei a Morte uma vez, não quero tentar de novo.

Há braços!

Eduardo Mesquita, O Inimigo do rei

eduardo@ideiadiferente.comwww.ideiadiferente.com

eduardoinimigo@gmail.comwww.ogritodoinimigo.com

Twitter – @eduardoinimigo

www.myspace.com/sangueseco

Tudo isso sou eu. Agora e pra sempre, tudo isso sou eu!!

Adicionar a favoritos link permanente.

12 Comments

  1. Seu safado, morre e nem dá tempo de a gente fazer a festa e já volta com tudo… Tava já organizando uma festa punk no seu velório e vc me atende o telefone… VIVO?
    Parabéns por ter escapado dessa, compadre, ainda ta cedo. Abraços.

  2. Como foi lá??? rsrs
    Tá louco menino, morrer agora!!

    Melhoras e que continue esse louco, doido e gente boa que sempre foi..
    Grande Abraço

  3. Carissimo Dudu “Inimigo do Rei” devo lembrar a Vsa que gente ruim igual eu e vc não morrem nunca, dão trabalho pros outros até os “cento e pouco”, então não esquenta a cabeça, repousa e breve vc vai estar ai de novo quebrando tudo e bebendo “aquela boa” lá de Minas Gerais, grande abraço do irmão de sempre….

  4. Tu é o doido de sempre mesmo né, mas parabens pelos seguranças realmente você está protegido.
    Melhoras para vc.

  5. Olá Prof. Eduardo! Melhoras. Abraços

  6. Gárita - Engecred

    Como assim? Que isso hein…. mais fico muuuuuito feliz q esta bem.
    Melhoras em capitão rsrsrs…
    Abraços.

  7. Tá louco professor… nada de morrer… ainda mais por stress, se quiser encher a cara e matar seu fígao, acabar com seus pulmões, tudo bem, agora por “nada”… ai não podemos aceitar!!! Pessoas como vc merecem sim UMA SEGUNDA CHANCE! mais cuida agora do que tentou acabar com vc… aliás, vc não é um gato né!!! kkkkkkkkk abraçosssss e tudo de bom nessa sua nova vida!

  8. Simplesmente estou paralisada…..
    Que isso não estava sabendo de nada…
    Mas pessoas especiais como vc tem muito o que fazer pelas almas necessitadas da terra…..

    Agora… vamos engatando as marchas um pouco mais devagar… até mesmo para estabilizar seu ritmo… e com certeza bola para frente…
    Estou feliz por ti e agraciada pele a graça de nosso bom Deus te cudado de vc para ainda estar conosco….

    Saudades…. nossa tenho montão de novidades para ti!!!

    E agora mais forte do que nunca ….. Saúde!
    bjo

  9. Fiquei chocado com essa notícia! Ainda mais com o seu histórico de boa saúde da forma que você nos contou. Que bom que está tudo bem agora. Que susto!

    Tudo de bom pra você e sua família!

    Abs,

  10. Kbção,

    Não tô crendo no que li….estou pasma!!!
    Você não poderia ir assim…claro que não.
    Sempre estou me lembrando de você!! Você é um cara excepssional, não pode deixar este planeta assim!!!!!
    Você merece viver mais um duzentos anos!!!
    Fico feliz por ter voltado

    Mil abraços!!!

    Bianca, Jean e Henri

  11. Pingback:Novidades no (meu) mundo corporativo! – Ouse ter uma idéia diferente, tenha IDEA.

  12. Joniel Alves Teixeira

    Achei bacana a vitória que você teve sobre essa parada cardio-respiratória, e esses dois pequenos super-heróis que você tem vão ter proteger com certeza….kkk

    Há abraços!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *