• +55 62 99451 5454
  • contato@ideiadiferente.com

Gênios não trabalham sozinhos.

Gênios não trabalham sozinhos.

Você conhece esse jovem piloto aí da foto, com certeza. Se não conhece, então ontem – dia 02 de novembro de 2008 – você estava realmente desligado da sua televisão. Esse jovem piloto é Felipe Massa, brasileiro, piloto da Ferrari na Fórmula 1, que ontem conquistou o vice-campeonato mais espetacular da história do automobilismo.

Não vou me deter em explicar o que existe de espetacular em ser vice-campeão. Em um país que deplora o segundo lugar, Massa mostrou que SIM é possível não ser o primeiro lugar e ainda assim ser vitorioso. Mais informações sobre isso – e sobre alguns outros comentários que surgirão ao longo do post – procurem sites esportivos e abasteçam-se de detalhes.

Estou escrevendo hoje porque ainda estou sob o impacto das últimas duas voltas da corrida de ontem em Interlagos. Emoção como eu jamais havia visto em uma corrida, principalmente porque sempre achei automobilismo um esporte muito sem graça de se assistir e também porque passei incólume pela febre de Ayrton Senna. Sempre o achei muito bom-moço para ser um herói dos esportes, principalmente em um país que tem Nelson Piquet com sua arrogância, selvageria e agressividade, esse sim um herói digno de ser saudado, na minha opinião.

Mas o fato é que Felipe Massa ontem foi campeão por exatos 39 segundos, tempo em que o inglês Lewis Hamilton ficou em sexto lugar, até ultrapassar o alemão Timo Glock e – em quinto lugar – conquistar o campeonato de 2008. Felipe Massa foi campeão por 39 segundos!

Depois da corrida inúmeros estudiosos, críticos e palpiteiros, todos com muito mais conhecimento que eu, se lançaram ao desafio de achar um culpado para o vice-campeonato do novo piloto favorito do país. E o mais comum foi perceber que se Timo Glock tivesse segurado sua posição, Hamilton não chegaria em posição de pontuar o suficiente para ser campeão. Não existe como criticar o comportamento de Massa, já que ele conquistou o máximo de pontos possíveis na corrida, chegando em primeiro lugar, mas Glock… ah, Glock. Bobagem.

Se crucificarmos o alemão de nome de arma estaremos esquecendo um ano inteiro de esforços, derrapagens, acidentes, testes e muita competitividade por parte desses jovens pilotos, pois além dos “garotos” Massa e Hamilton, tivemos ainda o mal-citado Glock, Vettel, Kubica e outros pilotos bastante jovens nesse campeonato. Mas se crucificarmos o pobre Glock estaremos negando a grande responsável pelo vice-campeonato de Massa: a ineficiência da melhor equipe do mundo em momentos cruciais.

A Ferrari é reconhecida como a melhor equipe do mundo, com mais tradição, mais amor da torcida e mesmo assim cometeu grandes lambanças ao longo do ano, culminando com um abastecimento atrapalhado e quase criminoso que custou preciosos pontos ao nosso piloto brazuca. Um time com o que de melhor pode ser encontrado nessa área cometeu atrocidades infantis e irresponsáveis que custaram um campeonato inteiro.

Otimistas e viúvas de Senna já apontam Felipe Massa como o mais novo herói do esporte nacional, um talento inegável, agressivo, arrojado e frio o suficiente para ser um campeão inesquecível. Mesmo contando com o momento emocional de agora, não se pode negar que Massa é realmente um talento fantástico como a algum tempo não víamos nesse país tão apaixonado por automobilismo. Um esporte que mesmo contando com a paixão nacional – depois de alguns outros favoritos, verdade seja dita – não conta com grandes nomes. Talvez pelo alto custo de se participar do esporte, o que acaba limitando-o a uma maioria de filhinhos de papai sem talento nem competência e uns poucos esforçados que ocupam nossas pistas cotidianamente.

Mas enfim, o fato principal é que mesmo sendo um talento inegável, Massa não corre só. Depende de uma equipe. Uma equipe que em momentos valiosos pôs tudo a perder com erros bobos. Uma equipe de inegável talento e competência também, mas que falhou e falhando arruinou um ano de esforços. Parece familiar? Quantas vezes já vimos esforços individuais naufragarem por sabotagens brancas e incompetência das equipes que deveriam ser suporte e base? Grandes líderes, gênios, talentos, todos encobertos por burrice, ineficiência e má vontade, que infelizmente se mostram sempre mais fortes e eficazes.

Massa é vice-campeão porque a Ferrari falhou. E agora só nos restam a decepção e a esperança de um 2009 com manhãs de domingo tão animadas.

 

Há braços!

 

Eduardo Mesquita

eduardo@ideiadiferente.com

 

 

Eduardo Mesquita

Deixe sua mensagem