E ainda sou pago para fazer isso! Obrigado AMBEV!!

25 de abril de 2009. Sábado. Mais um dia para marcar nossas lembranças de um trabalho com os profissionais da Ambev. Sempre cito essa equipe como referência porque realmente são de um perfil diferenciado que sempre nos proporcionam atividades ricas em aprendizado e diversão.

Já ouviu falar sobre o carvão mineral, que exposto a grandes pressões se transforma em diamante? Eis aqui uma possível explicação para esses profissionais serem quem são, o ambiente de ultra-competição e pressão gigantesca que eles vivem cotidianamente termina por fazer de cada um deles um diamante diferenciado. O mercado de garrafas é coisa de insanos e descontrolados, tamanha a correria e a loucura de tudo que acontece. Ninguém passa em vão e sem marcas por um mercado como esse.

Enfim… fomos para Corumbá de Goiás e Cocalzinho de Goiás realizar mais um dia de treinamento vivencial (também chamado outdoor) com essa turma, com a previsão de mais desafios e situações inusitadas, o que sempre acontece. Isso porque em todos os treinamentos que já realizamos com profissionais da Ambev, seja da fábrica de Anápolis ou daqui de Goiânia, sempre temos alguma frustração. Atividades que imaginamos que vão tomar duas horas – por exemplo – eles conseguem realizar com qualidade em quarenta minutos ou menos. Coisas que não achamos que vão conseguir, que serviriam apenas de desafio e meta inalcançável, os alucinados conseguem fazer e nos olham com aquela cara de “E agora, o que tem pra fazer?”. Ou seja, o desafio de trabalhar para esses caras é grande.

Sabedores disso buscamos reforçar nossas hostes e fomos buscar quem é bom de verdade: Kiko Alencar (na foto Kiko, Walquíria e Eduardo). Kiko é sócio da Casa do Walker – http://www.walker.tur.br/pt/ – uma das mais respeitadas empresas de atividades de ecoturismo, turismo de aventura e atividades educativas em ambiente natural. Kiko já é parceiro AGREGAR / IDEA a um bom tempo, nossas histórias já se esbarram desde o século passado, então já tínhamos a tranquilidade do profissionalismo e da competência do sujeito.

E atendendo ao desafio, eis que ele surge com algo ousado. A consultora da Agregar, Walquíria Ferreira, havia estabelecido com o RH e a diretoria da Ambev – Goiânia que faríamos um treinamento outdoor. Mas o local ainda era um problema. Kiko sugeriu Corumbá de Goiás, fomos até lá com representantes da Ambev e voltamos com o local aprovado.

Sexta-feira estávamos todos no hotel Salto do Corumbá – http://www.saltocorumba.com.br/ – belamente hospedados e o povo da Ambev já trabalhava a pleno vapor, realizando treinamentos internos o dia todo.

No sábado logo cedo saímos para a Fazenda Hotel Tabapuã dos Pirineus – http://www.tabapuadospireneus.tur.br/ – em Cocalzinho de Goiás. Isso porque queríamos desafios extremos e na Tabapuã temos a segunda maior tirolesa do estado, com mais de 500 metros de queda (foto). Além disso, Kiko havia criado uma trilha de orientação por bússolas em meio a uma mata praticamente inexplorada que iria criar o tensor necessário para a equipe presente.

Desde o primeiro momento, em que dividimos as equipes, vitalizamos todos para as atividades do dia, que seriam cansativas, desde o primeiro instante tudo foi feito com muita descontração, e apesar disso, com muito foco e objetividade (veja na foto o crachá que o participante tentou escrever CONFIANÇA. Claro que o Gustavo foi motivo de piada o resto do dia).

Eu conduzi uma das equipes, e começamos nosso dia na trilha de orientação, com bússolas, planilhas e uma mata fechada para encontrarmos os prismas e sinais espalhados por lá. Como se isso não fosse suficiente, ainda tivemos uma atividade com olhos vendados, atravessando riachos, lamaçais, formigueiros e touceiras de mato fechado. Tudo programado para criar dificuldade, mas com a máxima segurança possível.

Fizemos a trilha toda, sem maiores percalços, vendo situações que são cotidianas e rotineiras em qualquer empresa. Brincadeiras como “Ah, fulano que está com a bússola agora. Estamos perdidos!” mostravam o bom humor, mas também servem para apontar algum descrédito com alguns colegas. Pode parecer ruim, mas a relação humana está longe de ser uma situação perfeita, e em momentos como esse as pessoas são colocadas frente aos seus sentimentos, e isso nem sempre é bonito. Lindo era ver todo mundo se lançando aos desafios, sem vacilar.

Na segunda parte do dia iríamos realizar uma trilha de observação em outra mata da fazenda para irmos até a tirolesa, de onde voaríamos para a parte final da atividade. Mesmo eu já tendo feito isso inúmeras vezes, mesmo eu sabendo de tudo que iria acontecer, nesse momento eu fui pego de surpresa. Que lugar maravilhoso! Uma mata lindíssima, fechada, verdejante, cheirosa, empolgante. Além disso, cachoeiras lindas, um rio impressionante e ao final dessa jornada a tirolesa!

Para muitos o desafio maior foi usar a bússola na trilha de orientação (detalhe: todos os participantes tiveram um trecho da trilha sob sua responsabilidade com a bússola), para outros atravessar o trecho de água com os olhos vendados, mas para muitos o desafio maior era a tirolesa. Um vôo enorme, passando por cima da mata, do rio terminando numa base em que muitos chegaram numa velocidade espantosa. Olhem na foto a alegria da Walquíria, consultora da Agregar, na chegada na base da tirolesa.

Pois para alegria e satisfação nenhum dos profissionais presentes optou por não participar da tirolesa. Mesmo com muito medo para alguns, todos enfrentaram e puderam curtir aquela paisagem maravilhosa, o vento na cara e a velocidade da descida.

Na última parte do dia tivemos algumas atividades em que – mais uma vez – o povo da Ambev nos mostrou que precisamos criar desafios insanos, porque desafios para gente normal eles mastigam sorrindo. Uma das atividades eu não acreditava que eles conseguissem resolver, pois exigia uma participação grande de todos, sem comunicação adequada, com muito esforço físico e num local inadequado, com sol, mato e insetos importunando. Tudo para dar errado. Não deu. Eles resolveram em questão de minutos.

Depois de tudo visto e vivido, tivemos um dia de intensa participação física e mental, com desafios que os colocaram frente a limites particulares e grupais, e tudo isso foi vivenciado com extrema segurança e alegria. Legal lembrar o comentário sobre a trilha de olhos vendados: “Interessante que todas as dificuldades que nós tivemos com as vendas, ao retornar pelo mesmo caminho sem as vendas, nós vimos que os problemas não existiam!”. Sem as vendas, de olhos abertos, os problemas não existiam!

As trilhas em meio às matas, o banho de cachoeira (olha a alegria da turma aí na foto, num lugar lindíssimo, depois de uma caminhada um banho de cachoeira inesquecível), a tirolesa, a equipe divertidíssima, os parceiros profissionais ao extremo e ao final de tudo um jantar soberbo no Salto do Corumbá. E pensar que eu ainda sou pago para fazer isso!

 

 

Há braços!

 

Eduardo Mesquita

eduardo@ideiadiferente.com

 

P.S. – Agradecimentos aos montes para nossos parceiros, para os profissionais Ambev, para Fabiano da Tabapuã, mas principalmente para Meiriane, pela foto que encerra esse post. Valeu muito!

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *